AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

Aumentam as exportações da indústria gaúcha

Exportações
A contabilização como exportação de uma plataforma de petróleo e gás para uma subsidiária da Petrobras na Holanda e o incremento no setor de tabaco, especialmente com compras da China, contribuíram para o crescimento nas vendas externas da indústria gaúcha em novembro. Em comparação ao mesmo mês de 2015, esta elevação chegou a 40,9% (US$ 1,50 bilhão). Graças a esta plataforma, que rendeu US$ 388,9 milhões, o setor de outros equipamentos de transporte subiu 19.450% no período. “Caso essa operação não ocorresse, as exportações industriais teriam aumentado apenas 4,4%. Seguimos com a perspectiva de encerrar 2016 com o menor valor exportado dos últimos dez anos, e isso certamente impede a tão esperada retomada econômica do nosso Estado”, alerta o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, ao analisar o resultado da Balança Comercial, nesta quinta-feira (15).
 
Ao mesmo tempo, a elevação em 3.633,3% dos pedidos chineses por tabaco teve como consequência o maior valor já registrado para o setor no mês em toda a série histórica de 20 anos. O total exportado do produto pela indústria no Estado foi de US$ 208 milhões, um incremento de 87,4% na comparação com novembro do ano passado. Outro segmento que teve influência relevante sobre a indústria foi Veículos Automotores, Reboques e Carrocerias (18,6%).  Por sua vez, Produtos Alimentícios (-15,3%), Borracha e Plástico (-39,4%) e Couro e Calçados (-13,6%) exerceram as maiores contribuições negativas.
 
As exportações totais do Rio Grande do Sul subiram 23% em novembro, se comparadas com o mesmo mês de 2015, somando US$ 1,61 bilhão. As commodities sofreram retração de 57,8% (totalizando US$ 98 milhões), puxadas pelo desempenho dos embarques de soja (-60,3%).
 
Ainda sobre novembro, as importações totais aumentaram 3,7%, alcançando US$ 872 milhões. O forte avanço em Bens de Consumo Duráveis (840%), puxado por veículos automotores (1.447,8%), explica esse fato. Já os principais destaques negativos foram Combustíveis e Lubrificantes (-73%) e os Bens de Capital (-20,5%).
 
ACUMULADO NEGATIVO
No acumulado do ano entre janeiro e novembro, as exportações totais gaúchas caíram 6,5%, atingindo US$ 15,34 bilhões. Nesse período, a indústria registra queda um pouco menos intensa (-3,3%), totalizando US$ 11,27 bilhões. Os principais destaques negativos do setor secundário ficaram por conta de Produtos Alimentícios (-9,7%), Produtos Químicos (-12%) e Coque e Derivados de Petróleo (-56,1%). O destaque positivo segue sendo Celulose e Papel (86,4%).