AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

País precisa proteger melhor seu conhecimento e a propriedade industrial

Desenvolvimento
O Brasil não dá a devida importância à propriedade industrial. No ano passado, foram apenas 35 mil pedidos de patentes no País, enquanto a China, por exemplo, recebeu 1 milhão de solicitações. O alerta foi feito pelo pesquisador do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), Wilson Fogazzi, nesta quinta-feira (24), durante apresentação no 2° Fórum de Proteção do Conhecimento Sensível. Realizado pela FIERGS, em parceria com a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), na sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, o evento teve como tema principal “A Vulnerabilidade das Startups no Universo da Disputa pela Inovação”.
 
O propósito do Fórum foi alertar quanto às ameaças que os desenvolvedores de inovações passam no Brasil. “No Rio Grande do Sul, nos acostumamos a assistir as transferências de fábricas para outros Estados e, recentemente, até para outros países. Essa ‘relocalização’ geográfica, física, no entanto, vem acompanhada atualmente de uma questão muito mais importante. Trata-se da ‘realocação’ do conhecimento. Nesse contexto, não podemos admitir a perda de inteligência. Portanto, há um acervo que não é físico, que fica na ‘nuvem’, que necessita ser protegido”, destacou o presidente da FIERGS, Heitor José Müller, na abertura do evento.
 
O industrial observou que startups são hoje as grandes geradoras de conhecimento. “Temos que prevenir os riscos de que esse estoque inventivo possa ser usurpado. Perder inovação significa perder PIB”, ressaltou.
 
O caso real da SuperCooler – empresa  que criou um resfriador portátil de bebidas – foi apresentado no primeiro bloco do evento, por meio do seu sócio-fundador Rafael Schiavoni, que relatou alguns riscos que teve que superar para não perder a  invenção, além do processo que envolveu o desenvolvimento e o registro do projeto.
 
A Contraespionagem Industrial e os Riscos nas Redes Sociais foi o tema abordado pelos representantes da Abin Sérgio Malta e Robertson Frizero.
 
O Fórum contou ainda com as presenças do secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Fábio Branco (que antes se reuniu com o presidente da FIERGS, Heitor José Müller); do   superintendente estadual da Abin no Rio Grande do Sul, Clóvis Roberto Frainer; da representante do chefe do Escritório de Difusão Regional Sul 1 do INPI, Julieta Macedo; e do diretor do CIERGS e membro do Conselho de Inovação e Tecnologia da FIERGS, Aderbal Fernandes Lima.
 
Crédito foto: Dudu Leal