Você está aqui

economia

Ao avaliar as medidas do governo federal para estimular a economia, o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, considerou os anúncios estratégicos e importantes, mas que dependem de implementação. Entre as medidas, a desburocratização, com o objetivo de diminuir o Custo Brasil.
As Federações das Indústrias (FIERGS), da Agricultura (Farsul), Federação do Comércio de Bens e de Serviços (Fecomércio), das Associações Comerciais e de Serviços (Federasul), mais a Agenda 2020 e o Movimento Brasil Competitivo (MBC) divulgaram, nesta terça-feira (13), um manifesto favorável ao Plano de Modernização proposto pelo governo do Rio Grande do Sul, que prevê medidas para enfrentar a crise no Estado. Os líderes empresariais afirmaram que apoiam de forma integral o pacote.
A atual capacidade ociosa nas linhas de produção, os baixos níveis de estoque e a força exportadora colocam o setor industrial em uma posição decisiva para retirar a economia brasileira da atual crise sem precedentes na história do País. A afirmação foi feita pelo presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS/CIERGS), Heitor José Müller, durante a entrevista coletiva de Balanço 2016 e Perspectivas 2017, nesta terça-feira (6), na sede da entidade.
Pelo segundo mês consecutivo, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) nesta quinta-feira (17), registra acomodação, ao fechar em 53,6 pontos em novembro, praticamente o mesmo de outubro (53,5). Esta estabilização, após uma recuperação acelerada entre maio e setembro, mostra que as condições seguem difíceis e o otimismo perde fôlego.
Apontado como um dos caminhos mais críticos nas gestões de micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), o acesso ao crédito ganha um forte aliado para ajudar empresários de todos os segmentos produtivos. O Núcleo de Acesso ao Crédito (NAC), da FIERGS, será lançado no dia 23 de novembro, a partir das 9h, no Centro de Eventos da entidade (Avenida Assis Brasil, 8.787 – Porto Alegre).
“O Brasil vive um momento de grandes desafios, mas, pela primeira, eu vejo os problemas serem postos na mesa para debate, como a questão fiscal, o problema da previdência, a qualidade e o custo do setor público no Brasil, que onera a sociedade sem entregar os benefícios que ela espera. Quem sabe dessa vez, com esse debate, consigamos enfrentar os grandes problemas e retomar uma trajetória de crescimento sustentável”.
Quem primeiro percebe o ponto de inflexão na economia ou em determinado segmento específico com uma visão crítica do cenário político e geopolítico certamente sairá na frente. Assim o economista Roberto Dumas Damas define a melhor forma para ver oportunidades na crise. O tema será amplamente discutido durante os dias 7 e 8 de novembro no Programa de Educação Executiva do Instituto Euvaldo Lodi (IEL-RS). Neste ano, a parceria será com a escola empresarial Insper, de São Paulo, e ocorre no Vila Ventura Ecoresort, em Viamão.
 
No encerramento do 34º Encontro Econômico Brasil Alemanha (EEBA), na terça-feira (18), na cidade de Weimar, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, reiterou o pedido de agilidade para o fechamento de um acordo de zona de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia.
A expectativa para a próxima edição do Encontro Econômico Brasil-Alemanha (EEBA), que se realiza em novembro de 2017, em Porto Alegre, na sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, é a de receber 2 mil participantes. O evento é um dos mais importantes da agenda entre os dois países e a previsão é de até US$ 10 milhões em negócios e 200 reuniões bilaterais.
O 34º Encontro Econômico Brasil Alemanha (EEBA) começou nesta segunda-feira (17), em Weimar (ALE), reunindo líderes políticos e empresariais que em dois dias de debates e encontros de negócios buscam estimular o desenvolvimento comercial e a cooperação financeira entre ambos os países. O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade; e o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, lideram uma missão empresarial ao EEBA.

Páginas

Subscrever economia