Você está aqui

relações internacionais

“Donald Trump se elegeu com um discurso que defendia uma agenda de maior protecionismo comercial. Resta saber se o discurso de campanha será levado em frente ou se foi apenas uma manobra eleitoral”, comenta o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller, ao analisar, nesta quarta-feira (9) o resultado da eleição presidencial nos Estados Unidos.
Um território um pouco maior do que o Estado do Amapá, que concentra uma população de mais de 160 milhões de pessoas. Essas características são de Bangladesh, localizado próximo à China e à Índia. O embaixador do país no Brasil, Mohamed Mijarul Quayes, esteve na sede da FIERGS, nesta sexta-feira, em encontro com o presidente da entidade, Heitor José Müller, para apresentar a realidade de sua nação e buscar oportunidades de ampliar as relações.
A francesa Lactalis vai expandir o volume de processamento de leite no Rio Grande do Sul. A garantia foi obtida, nesta quinta-feira (20), em Paris, pelo governador José Ivo Sartori, em reunião com o diretor mundial de relações internacionais da empresa, Michel Nalet, e o diretor no Brasil, Guilherme Portella. O investimento total chega a R$ 104 milhões até 2017, e a meta é garantir mais 500 milhões de litros ao ano, além dos 900 milhões já produzidos atualmente no Estado.
Data de 1956 o registro da chegada dos primeiros japoneses ao Rio Grande do Sul, especialmente para atuar na agricultura. Hoje, são 1,8 milhão de descendentes da nação vivendo no Brasil e 120 mil em território gaúcho. Dar os primeiros passos no estreitamento das relações iniciadas há 60 anos entre o Estado e o Japão foi o objetivo da visita do cônsul do país em Porto Alegre, Takashi Kondo, ao presidente da FIERGS, Heitor José Müller, nesta quinta-feira.
Uma ilha localizada ao sudeste da China, com uma população de 23,32 milhões, renda per capita superior a US$ 22 mil, uma taxa de desemprego inferior a 4% e um crescimento econômico de 0,93% em 2015, Taiwan busca incrementar as relações comerciais com o Brasil e o Estado.
 
Singapura é um território de 750 km², 5,5 milhões de pessoas e a terceira maior renda per capita do mundo – US$ 84 mil no conceito Purchase Power Parity. Conhecido pela facilidade de fazer negócios, está localizado em uma área estratégica da Ásia, próxima a China, Malásia e Indonésia. “Tudo ocorre na Ásia perto de Singapura”, comenta o embaixador do Brasil no país, Flávio Soares Damico, que assume o cargo em 28 de abril, e esteve em visita ao presidente da FIERGS, Heitor José Müller.
 
A Nicarágua pretende reforçar as relações comerciais diretas com o Rio Grande do Sul e, para isso, a embaixadora do país, Lorena Martínez, esteve,  nesta quinta-feira, na FIERGS.
O consulado dos Estados Unidos deverá iniciar suas operações na Capital gaúcha, no início de 2017. A sede terá aproximadamente 50 funcionários, dos quais 25 norte-americanos, e vai oferecer a emissão de vistos, além de fomentar parcerias entre as indústrias dos dois países. As informações foram apresentadas nesta quarta-feira, durante uma visita do cônsul dos Estados Unidos para o Rio Grande do Sul, John Jacobs, ao presidente da FIERGS, Heitor José Müller, realizada na sede da entidade. “Abrir um consulado em Porto Alegre é uma aposta no Brasil.
 
Em 2017, ao ano em que completa cinco séculos da reforma protestante, a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) vai sediar o Encontro Econômico Brasil-Alemanha. Os dois países se revezam na organização do evento. O anúncio foi feito durante a reunião-almoço da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha, realizada nesta terça-feira na sede da federação, em Porto Alegre.
 
O embaixador do Azerbaijão no Brasil, Elnur Sultanov, realizou sua primeira visita oficial ao Rio Grande do Sul. “Temos interesse em conhecer de forma mais profunda a economia gaúcha e aproximar o Estado e Azerbaijão na busca de parcerias”, comentou Sultanov. Ele foi recebido pelo diretor do CIERGS, Aderbal Lima, nesta quarta-feira, na FIERGS. A nação está conseguindo diversificar sua economia, e assim reduzir a dependência do segmento de petróleo e gás – 70% do PIB nacional é formado pela economia não petrolífera hoje.

Páginas

Subscrever relações internacionais